Commit 02ad9d11 authored by Carlos Eduardo Lara Augusto's avatar Carlos Eduardo Lara Augusto
Browse files

[SCS-355]

Tutoriais do SCS ainda estavam com versão 1.3.0 ao invés de 1.2.x_y.
Fiz outras pequenas correções onde necessário, principalmente no documento c++.



git-svn-id: https://subversion.tecgraf.puc-rio.br/engdist/scs/core/java/trunk@121580 ae0415b3-e90b-0410-900d-d0be9363c56b
parent 24e49013
......@@ -24,14 +24,14 @@
% Inicio do documento
% ===================
\begin{document}
\begin{document}
\title{Tutorial Básico do SDK Java do SCS}
\author{Tecgraf \\
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)\\
scs-users@tecgraf.puc-rio.br}
\date{}
\date{2011-08-31}
\maketitle
......@@ -40,7 +40,7 @@
\section{Introdução}
Este documento é um tutorial básico sobre a criação de componentes no modelo
SCS v1.3, utilizando a versão Java da implementação padrão. Não serão
SCS v1.2, utilizando a versão Java 1.2.1\_0. Não serão
encontradas aqui explicações sobre o modelo, as quais encontram-se em
documentos específicos. Também não será abordado o uso de serviços específicos
desenvolvidos para o auxílio ao uso do modelo, como a infra-estrutura de
......@@ -84,14 +84,14 @@ O identificador do componente
identificador de componente conta com os seguintes campos:
\begin{itemize}
\item \code{name}: Nome desejado para o componente.
\item \code{major\_version}: Número que define a versão principal do
\item \code{name}: Nome desejado para o componente.
\item \code{major\_version}: Número que define a versão principal do
componente.
\item \code{minor\_version}: Número que define a versão secundária do
\item \code{minor\_version}: Número que define a versão secundária do
componente, possivelmente relacionado a uma sub-versão da versão principal.
\item \code{patch\_version}: Número que define a versão de revisão do
\item \code{patch\_version}: Número que define a versão de revisão do
componente.
\item \code{platform\_spec}: \emph{String} contendo quaisquer especificações de
\item \code{platform\_spec}: \emph{String} contendo quaisquer especificações de
plataforma necessárias ao funcionamento do componente.
\end{itemize}
......@@ -198,7 +198,7 @@ Recept
Eles são manipulados pela faceta básica \emph{IReceptacles}.
Se a aplicação desejar manipular seus receptáculos de forma diferente, precisará substituir a implementação da faceta \emph{IReceptacles} através do método \emph{updateFacet} do contexto, como descrito na Seção \ref{criacao_facetas}.
A criação de receptáculos é muito parecida com a de facetas, descrita na Seção \ref{facetas}.
A criação de receptáculos é muito parecida com a de facetas, descrita na Seção \ref{criacao_facetas}.
Para adicionar um receptáculo a um componente, o contexto fornece o método \emph{addReceptacle}, que espera como parâmetros o nome, a interface esperada e um \emph{boolean} indicando se o receptáculo deve aceitar múltiplas conexões ou somente uma.
O uso desse método pode ser visto no Código~\ref{lst:addReceptacle}.
......@@ -260,7 +260,7 @@ public class HelloServant extends HelloPOA {
\end{labeledcode}
\begin{labeledcode}[java]{hellomain}{Criação do Componente Hello}
public static void main(String[] args) {
try {
Properties props = new Properties();
......@@ -279,7 +279,7 @@ public static void main(String[] args) {
HelloServant helloImpl = new HelloServant();
helloImpl.setName("User");
context.addFacet("Hello", HelloHelper.id(), helloImpl);
orb.run();
}
catch (Exception e) {
......
Supports Markdown
0% or .
You are about to add 0 people to the discussion. Proceed with caution.
Finish editing this message first!
Please register or to comment